quarta-feira, 26 de março de 2014

MANSIDÃO: Exemplo que devemos imitar do Nosso Senhor Jesus!




MANSIDÃO


Jesus Cristo foi o exemplo da mansidão: 
"Aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração" 
(Mt 11.29). 

Outras passagens das Escrituras falam da "mansidão" de nosso Senhor, tanto no Antigo quanto no Novo Testa­mento 
(Sl 23.2; Is 40.11; Zc 9.9; Mt 11.29; 21.5; 2 Co 10.1 etc).

Três palavras hebraicas são usadas nas Escrituras para descrever o sentido de "manso", "mansidão": anaw -"estar inclinado" (Sl 22.26; 25.9; 37.11; 76.9; 147.6; Is 11.4; 29.19; Am 2.7; Sf 2.3); anavah - "gentileza", "hu­mildade", "mansidão" (Pv 15.33; 18.12; 22.4; Sf 2.3); anvah - "mansidão", "suavidade", "brandura" (Sl 18.35; 45.4).


A mansidão deve estar presente em cada detalhe da vida espiritual, nas obras e no viver. É preciso culti­var:

•   um espírito manso
 (1 Co 4.21; 1 Pe 3.4);

•   as obras de mansidão
 (Tg 3.13);

•   "a mansidão para com todos os homens" 
(Tt 3.2).

Muitas pessoas confundem este atributo com lentidão, timidez e até mesmo com covardia. Jesus era "manso e humilde de coração", mas é também descrito em outras passagens das Escrituras como "um guerreiro vingador" (Sl 45.3,4; Is 63.1-6; Ap 19.11-21).


No Novo Testamento, encontramos em diversas pas­sagens a palavra grega praus ("manso") e seu substanti­vo, prautes (Mt 5.5; 11.29; 21.5; 1 Co 4.21; 2 Co 10.1; Gl 5.22; 6.1; Ef 4.2; Cl 3.12; 2 Tm 2.25; Tt 3.2; Tg 1.21; 3.13; 1 Pe 3.4,15). 
Significa que esta virtude é considera­da uma grande qualidade espiritual, algo a ser desejado e buscado pelos santos.


PRÓXIMO POST
Domínio Próprio

x_3e1c66cc photo x_3e1c66cc_zps06a001ac.gif



quarta-feira, 19 de março de 2014

FIDELIDADE: Capacidade divina que se expressa pela obediência ao Evangelho de Cristo!





Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados para a comunhão de seu Filho
 Jesus Cristo nosso Senhor
I Coríntios 1. 9
 


FIDELIDADE


Em 1 Coríntios 12. 9, a palavra "fé" aparece como um dos dons de poder. 
No texto de Gálatas, descreve uma qualidade do fruto do Espírito.

Em algumas traduções, o grego pistis ("fé") é traduzi­do por "fidelidade", a despeito do fato de que nenhuma fidelidade é possível sem o concurso da fé. Como dom de poder, significa aquela capacidade especial que vem so­bre o cristão diante de uma necessidade.

A fé, permanente em si mesma, opera no ser humano ocasional e momentaneamente. Porém, como fruto do Espírito, opera permanentemente na vida do salvo. Em outras palavras, a fé produz no crente o fruto da fidelida­de. A fidelidade é caracterizada pela firmeza de propósi­to, por uma atitude e uma conduta justa, pela devoção de alguém ser
 "fiel até a morte"
 Apocalipse 2.10

A fidelidade assim demonstrada denota a certeza de que tudo quanto Deus declarou ser sua intenção fazer terá pleno cumprimento. 


Todas as promessas de Deus ao homem são confirma­das com o selo da sua fidelidade. Isso dá ao cristão a ousadia e a confiança "para entrar no Santuário, pelo sangue de Jesus, pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou, pelo véu, isto é, pela sua carne, e tendo um grande sacerdote sobre a casa de Deus, cheguemo-nos com verdadeiro coração, em inteira certeza de fé... retenhamos firmes a confissão da nossa esperança; porque fiel é o que prometeu" 
Hebreus 10.19-23 


Deus é imutável!
 Por conseguinte, entende-se que Ele nunca muda em seus propósitos, atributos, conselhos e natureza.
 Deus é sempre o mesmo, em qualquer dimen­são.

A fidelidade visa também produzir esta mesma natu­reza, pois somente assim o crente irá "proceder fielmente em tudo que faz" 
3 João 5



PRÓXIMO POST:
Mansidão


x_3e1c66cc photo x_3e1c66cc_zps06a001ac.gif



sábado, 15 de março de 2014

BONDADE: Atributo divino que se manifesta pelo amor ao próximo!







 BONDADE


Quando Jesus falou para o jovem rico: 
"Por que me chamas bom? 
Ninguém há bom, senão um, que é Deus" 
Lucas 18. 19, Ele queria dizer, em outras palavras: 
"Nin­guém é infalivelmente bom, a não ser Deus".
 Os homens podem ser bons; entretanto, isto não significa bondade, pois são limitados para exercer tal atributo.


Nas Escrituras, o homem bom é retratado como sendo acompanhado por Deus:
 "Os passos de um homem bom são confirmados pelo Senhor, e ele deleita-se no seu caminho" 
Salmo 37. 23

Lutero assim defendia esta qualidade:
 "Uma pessoa é bondosa quando se dispõe a ajudar aqueles que estão em necessidade".


Somente pela bondade teremos graça no coração para cumprir certos mandamentos de Cristo. Por exemplo, nosso Senhor nos ensinou a amar nossos inimigos e até bendizê-los: 
"Ouvistes que foi dito: Amarás o teu próxi­mo e aborrecerás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos mal-­tratam e vos perseguem" 
Mateus 5. 43 e 44

Paulo relembra as palavras do Senhor na epístola aos Romanos, no Capítulo 12, nos
versículos 14, 17 e 21: 
"Abençoai aos que vos perseguem; abençoai e não amaldiçoeis. A ninguém torneis mal por mal; procurai as coisas honestas perante todos os homens. Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens. Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira [de Deus], porque está escrito: Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o Senhor. Portanto, se teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem".


Com efeito, vivemos dias difíceis em que existe desa­mor até para com os bons 2ª Timóteo 3. 3, e somente através do fruto da bondade os homens poderão voltar à 
base de todas as qualidades espirituais:
 "o primeiro amor" 
Apocalipse 2. 4



PRÓXIMO POST
Fidelidade

x_3e1c66cc photo x_3e1c66cc_zps06a001ac.gif



segunda-feira, 10 de março de 2014

BENIGNIDADE: Devemos imitar a Cristo, Ele foi o modelo e o exemplo!




BENIGNIDADE


O termo "benignidade" (no grego, chrestotes) traz a idéia de "gentileza", "bondade" etc.

Sobre este fruto do Espírito escreve Martinho Lutero:
"Os seguidores do Evangelho não devem ser inflexíveis e amargos, mas antes, gentis, suaves, corteses e de fala mansa, ainda que com poder e autoridade, o que deveria encorajar outros a buscarem sua. companhia... 
A gentile­za pode dar-se bem até mesmo com pessoas ousadas e difíceis...
 Nosso Salvador Jesus Cristo, era uma pessoa imensamente gentil... 
Acerca de Pedro, ficou registrado que ele chorava sempre que se lembrava da suave genti­leza de Cristo em seus contatos diários com as pessoas...
 e depois, quando apenas "olhou para ele"... 
concedendo-lhe o perdão por ter negado seu Mestre três vezes".


Deus é o exemplo originário da benignidade, e Cristo, deu o exemplo
passando a ser o nosso modelo 
2ª Coríntios 10. 1




Salmos 119. 64 exalta a benignidade de Deus:
 "A ter­ra, ó Senhor, está cheia da tua benignidade..." 

Esta quali­dade faz do crente uma pessoa compassiva,
 cheia de ternura e, sobretudo, contemplativa para com os menos privilegiados.



PRÓXIMO POST
Bondade

x_3e1c66cc photo x_3e1c66cc_zps06a001ac.gif



domingo, 2 de março de 2014

CARNAVAL: A Hora das Trevas!

Ilusão disfarçada de alegria !



Gostaria de contribuir de alguma forma na abordagem do tema: "Evangelismo no Carnaval", o qual considero relevante e ao mesmo tempo de intenções duvidosas  por parte de alguns dirigentes evangélicos. Penso haver certa insensatez  até para os bem intencionados, pois lhes faltariam o bom senso de se colocarem no lugar dos membros de uma igreja evangélica, no sentido de avaliar com mais discernimento os riscos que os mesmos poderiam estar submetidos na evangelização nos dias de carnaval.



A forma com que esta festa da carne é realizada no Brasil, alcança uma dimensão espiritual de densas trevas; onde a anarquia, o vandalismo, a sensualidade, a promiscuidade, a violência e outras abominações do tipo são atuantes, em corpos, mentes e corações dos adoradores do deus deste século. Portanto, não seria prudente expor a Igreja de Cristo (ovelhas) a pregar o Evangelho para aqueles que não estão interessados em ouvir as palavras de vida eterna.

Analisando do ponto de vista governamental, o Estado torna-se conivente com o pretexto de se tratar de uma festa popular, como também algumas autoridades constituídas vêem nesta grande concentração de pessoas, mais uma oportunidade de levantarem suas bandeiras partidárias com objetivos meramente eleitoreiros. Assim sendo, a baderna oficializa-se e organiza-se de forma  visivelmente depravada.



OBSERVAÇÃO
Os que não se encontram no "camarote da observação" e sim na "arquibancada" e as vezes na "geral",  de quem não tem o privilégio de morar na Zona Sul e sim em Subúrbios, quando não em Periferias.



CHEGO A SEGUINTE CONCLUSÃO

Os templos deveriam abrir nos dias de carnaval para que seus membros pudessem frequentá-los somente na parte da manhã, período este em que os foliões encontram-se dormindo. Quanto ao horário noturno, o templo não deveria abrir suas portas, pois os transportes de massa estariam abarrotados dos admiradores do carnaval assim como praças e ruas, estariam com seus espaços ocupados com blocos carnavalescos e foliões dificultando também o tráfego de veículos, e consequentemente, o transitar dos cristãos aos seus respectivos Templos.





Enquanto isso, no evangelismo durante o carnaval...


PRUDÊNCIA
Com relação ao Evangelismo noturno, não creio que esta exposição ao carnaval pudesse render frutos, a não ser que: Os templos permanecessem abertos somente com obreiros consagrados para a missão de receber os necessitados de socorro espiritual, mesmo vindo do carnaval, libertando-os do engano de Satanás e acolhendo-os junto ao Corpo de Cristo, com a pregação do Evangelho da Paz.


E os que não estiverem preparados para essa Missão, que não exponha a Igreja ao perigo.   
Ao contrário, que prudentemente conduzam suas ovelhas para local apropriado (retiro), onde haja oração, intercessão e estudo das Boas Novas do Evangelho de Cristo.







Bloco Carnavalesco Gospel
"Cara de Leão"

ATENÇÃO
Não se espelhem em líderes que expõe e manipulam suas ovelhas, visando interesses eleitoreiros, haja vista"As marchas para Jesus", as quais tem elegido alguns pseudos cristãos e outros interessados no poder de influência e de manipulação desses mesmos dirigentes evangélicos, os quais fazem barganhas política para alcançarem seus objetivos, sem no entanto terem a direção do Espírito Santo para tal manifestação; já que, o Senhor Jesus não precisa de nenhum tipo de marcha e muito menos de blocos carnavalescos gospel.







SEJAMOS PORTANTO:
"Prudentes como as serpentes e símplices como as pombas".
Mateus  10. 16b


Fonte:  
Blog do Discípulo de Cristo

 CARNAVAL: A Hora das Trevas!



Logo após o carnaval, darei continuidade ao estudo sobre os Frutos do Espírito.
Até breve!

x_3e1c66cc photo x_3e1c66cc_zps06a001ac.gif



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...