domingo, 13 de novembro de 2011

A CURA DA MULHER NO RELACIONAMENTO CONJUGAL







 O mais importante e íntimo convívio que alguém pode ter é o casamento.
Ele sempre fez parte dos planos de Deus, pois o homem não foi criado para viver sozinho. No interior de cada um, há o interesse pela vida conjugal, porque os seres humanos precisam relacionar-se entre eles. Contudo, o pecado e as conseqüências da queda trouxeram à humanidade uma série de fatores que atingem a vida conjgal a ponto de desfazê-la. Ao agirem na alma humana, os sentimentos de culpa, inferioridade, abandono, desconfiança e baixa auto-estima, costumam levar graves problemas aos relacionamentos.

Após a queda do homem, a comunhão com Deus tornou-se enfraquecida pelo medo, de modo que se escondeu do Criador. Não houve mais interesse em amnter a comunicação. Seu interior ficou fechado pelo receio da condenação e de ser desprezado.

Os olhos de Adão estavam voltados para si mesmo e ele viu que estava nu, por isso usou folhas de figueira para cobrir-se. O temor de ser reconhecido e a tentativa de esconder-se têm marcado a humanidade desde então. Muita gente passa a vida inteira tentando cobrir-se. Folhas de figueira não são a resposta.
O acróstico a seguir foi concedido por uma querida irmã,
 [fig leaf significa Folha de figueira, em inglês]:

Fear  (medo)                                          
Insecurity  (insegurança)                     
Guilty  (culpa)                                       

Loneliness  (solidão) 
Exile  (exílio) 
Anxiety  (ansiedade)
Frustration  (frustração)                                                          

O verso descreve claramente a pessoa que teme vínculos afetivos. A aproximação com alguém assim é difícil, porque pode haver comunicação e entendimento verdadeiros. O indivíduo cria uma fachada que não permite aprofundar o conhecimento.

Com o casamento, é possível tirar a máscara e permitir que as pessoas conheçam suas verdadeiras personalidades. Acredito que todos os indivíduos realmente desejam ser autênticos, mas o receio de serem rejeitados leva-os a esconder os sentimentos mais íntimos. Ao tomar a decisão de começar a vida conjugal, ele está disposto a enfrentar a si mesmo e aos seus problemas. Por meio desse vínculo, permite, afinal, que Deus o conduza à maturidade e à autonomia de viver:

A carência de amor não significa necessiadade de se casar. A possibilidade de ser desprezado é o componente mais desencorajador em um relacionamento conjugal.
Por exemplo, a jovem que foi rejeitada pelo pai deve preparar-se para lutar contra a auto-imagem negativa, a qual trará temor de deixar que alguém a conheça melhor. Visto não ter recebido amor e aceitação do pai, ela desejará saber se poderá realmente ser amada por outra pessoa. O pensamento de se casar será uma grande dúvida que sempre irá deixá-la amendrontada. O medo de não conseguir agradar ao marido irá levá-la a se afastar de um envolvimento mais sério. Tem dúvidas quanto a seu corpo ser aceitável pelo esposo e também se pode realmente ser sincera e se comunicar. Questiona, ainda, se será realmente amada, na possibilidade de um homem passar a conhecê-la melhor. A dificuldade por desprezar a si mesma pode criar um problema nos preparativos para o casamento.

Antes do matrimônio, a jovem deve traabalhar essas áreas, sendo curada e estabelecendo comunicação com seu pai terreno. É uma boa preparação para a vida conjugal viver integralmente a condição de filha antes de se tornar esposa. Faça o possível para receber o afeto paterno; caso isso não aconteça, permita-se receber a cura mediante o amor do Pai Celestial.

Ao se casar, o homem precisa estar consciente das necessidades básicas da esposa. Ele deve familiarizar-se com a história da vida dela, fato que irá mantê-lo informado sobre as suas verdadeiras necessidades. Se a mulher foi rejeitada quando menina, necessitará de grande segurança e comunicação no casamento. O esposo pode ter um papel importante no sentido de ministrar-lhe restauração emocional. Ele deve amá-la como o Senhor amou a Igreja e Se deu por ela. Nessa situação, o marido deve fazer tudo para transmitir estabilidade na vida a dois, ainda que, para isso, seja preciso caminhar a segunda milha (Mt 5. 41).

Se for casado com a mulher que tenha sofrido rejeição durante as fases de infância e adolescência, não desanime nas horas qm que ela tiver medo e retraimento. Deus renovará suas forças para que você transmita a ela afeição e acolhimento. A esposa precisa saber de seu amor constantemente, não apenas na cama de casal. Assim terá a segurança de ser amada, mesmo fora das relações sexuais. Seja sempres sensível às suas necessidades.

Se ela tiver a auto-imagem negativa, faça tudo para erguê-la. Preste atenção naquilo que sua esposa faz bem e realce os pontos ais significativos de seu caráter. Dessa forma, ela retribuirá seu amor. Nunca seja crítico, a não ser com uma boa finalidade, para não parecer uma atitude de rejeição. Se quiser dar sugestões para que ela melhore, sempre o faça em particular e com espírito de mansidão. Tenha cuidado para nunca lhe demonstrar desprezo, pois, com isso, ela irá voltar-se para si mesma e para seus antigos medos. Edifique sua vida conjugal a cada dia e fortifique-a de modo coisa alguma possa destruí-la. Desse modo, você terá uma esposa amorosa e inteiramente dedicada. No caso de alguns temores surgirem, esteja ao lado dela neses momentos. Sua presença e compreensão poderão ajudá-la a libertar-se dos sentimentos ameaçadores. Não a pressione nem a critique; deixe Jesus trabalhar em cada situação. Dê seu completo apoio e orem juntos. Permaneçam unidos até a vitória completa.
Um homem deve realmente amar sua esposa assim como se ama, mas de maneira saudável. Sem amor próprio o indivíduo não pode dar afeto à esposa, pois terá a tendência de tratá-la da mesma forma como faz consigo. A auto-rejeição ou o ódio dele mesmo disseminará um elemento de morte no casamento. Se o marido nutrir desprezo e ódio por si próprio, agirá de modo semelhante com a mulher. O esposo irá tratá-la exatamente como ele cuida de si mesmo, o que pode ser uma pressão insuportável na vida conjugal. Se ela sofrer de auto-estima baixa, também piorará a questão. Portanto, é necessário que a pessoa tenha boa auto-imagem, para que seja capaz de amar o cônjuge adequadamente.

Quando o amor vem de Deus, ele é responsável e constante. Apesar dos problemas ou de qualquer outra circunstância, o amor é sofredor, disposto a ceder o que for necessário para o bem estar do próximo. As Escrituras dizem: Vós, maridos amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela (Ef 5. 25).
Eis o exemplo de renúncia e compromisso - Ele deu a Si mesmo até a morte, sem nunca desistir.

Próxima postagem: 
A CURA DO HOMEM NO RELACIONAMENTO CONJUGAL.

x_3e1c66cc photo x_3e1c66cc_zps06a001ac.gif




3 comentários:

  1. Lucy, às vezes, pensamos em textos como esse para um "curso de noivos", mas vejo que é tão importante lermos e estudarmos esses pontos juntos aos solteiros para que eles ouçam desde cedo os critérios que devem buscar para uma vida a dois.

    Muito bom o texto!

    Estou esperando pela próxima postagem.

    Abraços sempre afetuosos.

    Fábio.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada querida irmã, por sua presença constante no blog Mulher Virtuosa, que Deus continue te usando para postar estas mensagens maravilhosas, vindas direto do coração de Deus.
    Beijos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Lindo post, parabéns não é fácil o casamento somente com a ajuda de Deus e muito amor e compreensão.



    Minha flor estou passando aqui para lhe desejar um bom fim de ano, e um 2012 cheio de paz, amor, saúde e felicidade, que possamos estar juntas novamente o ano que vem!

    ResponderExcluir

Não serão publicados comentários com os seguintes conteúdos:
- Palavrões;
- Ofensas;
Fique na Paz!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...